Lar e Igreja

LAR E IGREJA

Lar e igreja, família sanguínea e irmãos em Cristo não são grupos antagônicos, são complementares, servindo a fins específicos e necessários ao exercício pleno da vida cristã. Basta lembrar que não somos cristãos apenas na igreja, assim como não seremos uma família cristã se nos desassociarmos da comunhão com a igreja. Ao instruir seus discípulos Jesus os fez cônscios desta verdade ao dizer-lhes “Em verdade vos digo que ninguém há, que tenha deixado casa, ou irmãos, ou irmãs, ou pai, ou mãe, ou mulher, ou filhos, ou campos, por amor de mim e do evangelho, que não receba cem vezes tanto, já neste tempo, em casas, e irmãos, e irmãs, e mães, e filhos, e campos, com perseguições; e no século futuro a vida eterna” (Marcos 10.29,30). A fé em Jesus nos leva a uma ampliação de nossos laços afetivos a um limite que extrapola em muito nosso particular círculo familiar.

Ao reconhecermos esta relação vital entre lar e igreja é preciso que avancemos a compreensão que a fé que pregamos na igreja necessariamente precisa ser praticada no lar, na forma como descrita pelo apóstolo Paulo em relação a Timóteo “Trazendo à memória a fé não fingida que em ti há, à qual habitou primeiro em tua avó Loide, e em tua mãe Eunice, e estou certo de que também habita em ti” (2 Timóteo 1.5). O cristianismo de Timóteo foi transmitido pela igreja, mas foi no exemplo do lar que ele encontrou o encorajamento necessário ao desempenho da vida cristã. Assim também os preceitos que aprendemos na igreja devem regulamentar o lar, seguindo a orientação que encontramos no livro de Provérbios “Educa a criança no caminho em que deve andar; e até quando envelhecer não se desviará dele” (Provérbios 22.6). A prática da instrução ministrada pela igreja deve refletir na vida de pais que educam seus filhos enquanto andam no caminho, pelo exemplo praticado em sua vida doméstica.

É preciso reconhecer que a dissociação entre lar e igreja é maléfico tanto a família como a igreja, fato reforçado pelo ensino de Jesus ao nos dizer “Ninguém pode servir a dois senhores; porque ou há de odiar um e amar o outro, ou se dedicará a um e desprezará o outro. Não podeis servir a Deus e a Mamom” (Mateus 6.24). O sucesso da família é também o progresso da igreja, assim como o fortalecimento da igreja se dará na medida que as famílias que a compõem se encontrem firmes em Cristo. Por isso prossigamos em nosso lema “Famílias fortes, igreja forte”.