O Novo Mandamento Sobre o Amor

O NOVO MANDAMENTO SOBRE O AMOR

 

        Amar ao próximo sempre fez parte da lei de Deus, haja vista que foi através de Moisés que aprendemos o direito de bem-estar e proteção dos indivíduos e reparação legal quando infringimos uma dessas regras. Os nossos magistrados não sabem disso, mas o Código Penal Brasileiro, bem como o conjunto de leis dos países ocidentais, foi baseado no Pentateuco e alicerçado nos valores judaico-cristãos. Livrar-se da influência da Bíblia nos dias de hoje seria o mesmo que recomeçar uma nova civilização que de civilizada não teria nada. Basta perceber o que acontece nas comunidades onde a lei e a ordem não imperam: “Porquanto não se executa logo o juízo sobre a má obra, por isso o coração dos filhos dos homens está inteiramente disposto para fazer o mal” (Eclesiastes 8:11).

        Amar o próximo se tornou um novo mandamento porque Deus nos mandou viver em coletividade. A nação de Israel estava dividida entre doze tribos que, apesar de servirem o mesmo Deus e de possuírem a mesma Bíblia, estavam praticando a individualidade. Por esta razão, a Nação Eleita não conseguiu cumprir a sua missão de evangelizar o mundo. Esta tarefa foi repassada para a Igreja no Novo Testamento e, por isso mesmo, o amor ao próximo foi chamado de “um novo mandamento”. Jesus disse: “Nisto todos conhecerão que sois meus discípulos, se vos amardes uns aos outros” (João 13:35). Realmente, a primeira igreja em Jerusalém caiu na graça de todo o povo por causa de sua união, generosidade e confraternização.

        Desde então, o Diabo colocou empecilhos para impedir o amor dentro da igreja. Além das dificuldades naturais entre os seres humanos, surgiram as heresias e o partidarismo que enfraqueceram a Grande Comissão de Cristo no mundo. Nos últimos anos brotaram as igrejas em células, que mais dividiram que uniram o Corpo de Cristo, e mais recentemente os cultos Online que nos separaram completamente do convívio presente que Jesus idealizou para os Seus discípulos.

        Vamos precisar superar o medo de pessoas, o medo de vírus e voltar a praticar o amor presencial que surgiu através da Igreja de Cristo, pois como Jesus nos avisou em Mateus 24:7, outras pandemias virão, mas o amor perfeito lança fora todo e qualquer tipo de temor: “No amor não há temor, antes o perfeito amor lança fora o temor; porque o temor tem consigo a pena, e o que teme não é perfeito em amor” (I João 4:18). Em nome do amor, vamos voltar para a Casa de Deus com todo cuidado necessário, mas de forma presencial!

 

Rômulo Weden Ribeiro