O Fim de Sí Mesmo

O FIM DE SI MESMO

 

        Não é prazeroso chegar ao fim de si mesmo, mas é muito importante para um recomeço e acerto de contas com a vida. O limite do homem é a grande oportunidade de Deus. Às vezes, é necessário uma perda, uma doença, o desemprego ou uma ameaça para nos ensinar o que somos e para onde vamos: “Pois ele conhece a nossa estrutura; lembra-se de que somos pó” (Salmo 103:14).

        Davi chegou ao fim de si mesmo em várias ocasiões, mas, em todas elas, ele saiu mais que um vencedor. Ele foi constantemente ameaçado de morte, sentiu a dor da partida de um filho (pelo menos três vezes), perdeu a reputação perante o seu povo e enfrentou muitas lutas com enfermidades físicas. Assim como ele saiu vitorioso, você também pode conquistar todas as batalhas pelas quais está passando neste momento.

        Aprenda a se arrepender e confessar os seus pecados. Assim que o fizer, aceite o perdão de Deus sem precisar sentir ou questionar. O perdão de Deus não ocorre através de emoções, mas através de promessas inegáveis da Palavra: “Bem-aventurado aquele cuja transgressão é perdoada, e cujo pecado é coberto” (Salmo 32:1). Se Davi se sentiu perdoado, nunca iremos descobrir, mas, com certeza, ele sabia que havia sido restaurado por Deus. Seus pecados e arrependimentos não foram registrados para denegrir a imagem dele, mas para garantir que nós também podemos alcançar a mesma graça que ele alcançou.

        Cante louvores a Deus! Davi tocava para que o Rei Saul se sentisse bem e, provavelmente, ele compunha e cantava os salmos para que ele mesmo se sentisse bem também. A tristeza pode ser dominada através dos sacrifícios de louvores. Solte a sua voz quando você menos deseja ouvi-la; estique-se no chão quando você menos deseja se humilhar mais do que já foi humilhado; toque algum instrumento musical até adormecer os dedos ou inchar os lábios, pois a dor física é muito mais suportável que a dor emocional. Aprenda a controlar os sentimentos negativos através da adoração que só oferece, mas não pede nada em troca.

        Ame as pessoas, sirva ao próximo, perdoe os inimigos e espere sempre no SENHOR: “Esperei com paciência no SENHOR, e ele se inclinou para mim, e ouviu o meu clamor. Tirou-me dum lago horrível, dum charco de lodo, pôs os meus pés sobre uma rocha, firmou os meus passos. E pôs um novo cântico na minha boca, um hino ao nosso Deus; muitos o verão, e temerão, e confiarão no SENHOR” (Salmo 40:1-3).

 

Rômulo W Ribeiro